FarmVillers

farmville“Hey amigo! Venha ser meu amigo em FarmVille, onde você pode cultivar frutas e verduras deliciosas na sua própria fazenda!”. Quem usa o facebook com certeza já se deparou com pelo menos uma das variantes dessa frase. Ela diz respeito a mais nova mania da internet, os jogos sociais. Lançado em junho de 2009, pela Zynga, empresa de jogos sociais virtuais, o FarmVille é apenas o exemplo mais bem sucedido do gênero até o momento.
A proposta do jogo é simples (veja nesse vídeo da Zynga), ao iniciar o aplicativo você ganha um pedaço de terra fértil, algumas moedas, e tem a sua disposição um avatar cabeçudo para plantar as sementes que você comprar no mercado. É somente aos pouquinhos que FarmVille vai mostrando o seu potencial… O primeiro ponto estratégico do jogo é que as sementes não são cultivadas instantaneamente. Depois de plantadas, elas levam horas, ou dias (a depender do tipo), para se desenvolver, e mais, se não forem colhidas logo (em um limite de aproximadamente 50% do tempo que levaram para crescer), elas secam e morrem. Assim, o internauta fica condicionado a acessar o site em intervalos regulares.farmerr

Prosseguindo no desenvolvimento (e no vício) do jogo, cada vez que o sortudo fazendeiro arar a terra ou plantar uma semente, ele ganha pontos de experiência. Conforme acumula esses pontos, ele sobe de níveis na carreira de fazendeiro e “destranca” a compra de novos itens no mercado. Os artigos disponibilizados para venda são bastante variados, como: animais (ovelhas, vacas, cavalos e galinhas), diferentes tipos de sementes (frutas, flores, grãos ou vegetais), construções (casas, celeiros, postos de armazenagem), além da enorme quantidade de itens de decoração, como cercas, arcos, bancos, lagos, espantalhos…

market

Contudo, a grande sacada do jogo diz respeito a sua própria definição como jogo social. Cada novidade ou avanço do jogador aparece como uma notícia do seu mural, por exemplo: Você estava sossegadamente arando sua terra quando de repente “Oh no! Você encontrou um patinho feio vagando pela sua fazenda. Esse pobre patinho foi abandonado porque ele era um pouco diferente dos outros patos. Ele se sente muito triste e precisa de um novo lar, ajude-o!”; e aí aparecem as opções: Ajudar ou Ignorar. Quem poderia resistir em ajudar um pobre patinho feio discriminado?  Então, se o usuário optar por ajudar, a notícia será publicada em seu mural, sendo imediatamente redistribuída a todos os seus amigos do facebook.

Foi assim que a estudante Ana Clara Fernandes, 18 anos, aderiu ao FarmVille. Ela recebeu no feed de noticias do facebook, o post: “adote uma ovelha negra”, que havia sido publicado no mural de uma amiga. “É lógico que é de mentira, mas é tão bonitnho! Aí deu vontade de entrar”, conta ela. Hoje ela também pública as noticias em sua página, espalhando as peripécias do jogo entre todos seus amigos.
O mesmo acontece com todos que usam FarmVille. Toda vez que o jogador sobe um nível, ganha um prêmio ou encontra um animal perdido, ele tem a opção de comemorar ou de pedir ajuda aos amigos do facebook. O detalhe é que a mensagem é enviada a todos eles, e não só os que usam o aplicativo.
A grande questão é que é vantajoso publicar as noticias no mural; dividir a sua glória rende bônus em moedas aos jogadores; a adoção dos animais é disputada, pois eles são exclusivos, gratuitos e só podem ser adquiridos dessa maneira; acima de tudo, é extremamente lucrativo, ou favorável, ter muitos amigos como vizinhos de fazenda, pois eles liberam interações como aumentar o tamanho da fazenda, além de poderem distribuir presentes (animais e objetos de decoração exclusivos). Dessa maneira, os próprios jogadores são os maiores responsáveis pela promoção do jogo, num exemplo muito bem acabado de marketing viral.

Esse é também o motivo porque tanta gente odeia o FarmVille. Quem não está, e não quer vir a participar do jogo não suporta ter que ficar recebendo esse gordo feed de noticias. Páginas como “Not Playing Farmville”, “To Hell with FarmVille” ou “!I Don’t wanna play farmville! Stop sending me requests!!”, somam cerca de 1,9 milhões de fãs. Nada que abale o sólido, e crescente, número de 69,5 milhões de participantes com que o jogo conta hoje.

Orkut X Facebookfar

Todo esse sucesso acabou por despertar o interesse da concorrência… No Orkut, o maior exemplo de jogo social é o Boddy Puke, a animação de um bonequinho 3D, feito pelo próprio dono da conta, que pode interagir com os bonequinhos dos seus amigos (dançando ou cantando juntos, por exemplo). Contudo, uma pesquisa realizada pela Folha junto ao IBOPE, revelou que o Boddy Puke conta hoje com cerca de 60 mil acessos, contra os 608 mil acessos do FarmVille.
A resposta do site de relacionamentos foi criar a sua própria fazendinha, que leva o nome de “Colheita feliz”. Apesar dos 3,5 milhões de usuários, o aplicativo ainda não emplacou, mas o Orkut ainda está desenvolvendo o jogo, que, aliás, conta com um número surpreendentemente grande de reclamações.
No facebook, entretanto, o FarmVille é apenas um dos exemplos de jogos sociais, dentre dezenas de outros. Alguns também são bastante conhecidos, como o Mafia Wars e o Café World. Todos pela Zynga.

Dinheiro de mentira X Dinheiro de verdade

farmcashProvavelmente, grande parte do motivo do interesse das corporações nesse tipo de jogo é a possibilidade de lucro. Teoricamente o jogo é gratuito, conforme o fazendeiro colhe os frutos da sua plantação ele lucra ganhando moedas para comprar mais sementes e mais itens. Contudo, alguns itens são bem carinhos, ou apresentam seu preço em FarmCash (notas de dinheiro que só são ganhas quando se avança nos níveis). Então, para quem não quer esperar que as moedas se acumulem, a Zynga faz o câmbio, trocando dinheiro de verdade por dinheiro de mentira. Ou seja, ela vende os créditos do jogo. A compra pode ser feita dentro do próprio aplicativo, mediante a apresentação do número do cartão de crédito ou da transferência de valores via PayPal. Os preços são apresentados em dólares e não são nada baratos: $4o,oo dólares compram 240 FarmCash e 70,6oo moedas.

Durante o período de sucesso do Second Life (muito mais elaborado do que os pobres gráficos 2D do FarmVille), muito se discutiu sobre o potencial do jogo para gerar dinheiro, e acharam que a formula ideal havia sido encontrada… Dois anos depois, contudo, o Second Life caiu em esquecimento e a febre FarmVille tem aparecido para o mercado como uma verdadeira mina de dinheiro. A Zynga, que foi fundada em 2007 e já se constitui hoje como a maior empresado ramo, explica que quem financia seus projetos são uma serie de investidores aventureiros. No entanto, o número de pedidos e “incentivos” para que os jogadores comecem a pagar pelos seus serviços, tem aumentado de forma vísivel nas últimas semanas.
A proposta é clara: trocar dinheiro real por dinheiro virtual. O conceito pode ser complicado, mas a idéia, com certeza, é potencialmente milionária.

Um Comentário para “ FarmVillers ”

  1. penetration@doesnt.rosella” rel=”nofollow”>.…

    ñïàñèáî çà èíôó….

Deixe um Comentário

Pode usar estas tags XHTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <blockquote cite=""> <code> <em> <strong>